Viagem à Toscana

Os próximos posts sobre a Toscana referem-se a uma viagem que fizemos em 2011, portanto antes de nossa filha nascer. Mas como nunca pensamos em nossas viagens exclusivamente como viagens pra crianças, pode facilmente ser uma viagem feita em família. Pra gente o mais importante de uma viagem pra Olivia é expandir seus horizontes, ver outras paisagens, experimentar outras culturas e comidas, e estar perto da gente. A Toscana é uma região lindíssima da Italia e acho que pode ser muito aproveitada por crianças de todas as idades. E lógico é um destino perfeito pra uma viagem à dois. As melhores épocas pra ir são na primavera, com as lindas florações, e no outono – quando fomos – uma época com cores inacreditáveis.

20868955513_17876319e5_o.jpg

Esta viagem fez parte de um mochilão que fizemos em outubro de 2011 e depois de percorrer o sul da França nos encaminhamos de trem para a Toscana. O relato completo desta viagem está em nosso antigo blog.

A viagem de trem de Nice à Florença é lindíssima! O trem vai por quase todo o trajeto pela costa e passa por Mônaco, Genova e outras cidades menores, mas igualmente lindas.

Chegamos em Milão às 13hs e pegaríamos o próximo trem pra Florença às 17:15hs, portanto tínhamos bastante tempo para dar um pulo no centro e conhecer a cidade. Minha opinião é se estiver passando por lá vale a pena dar uma volta no centro, mas se não for obrigatória sua passagem por Milão prefira ir a outro lugar. Realmente a cidade não tem nada demais, pelo menos na minha opinião.

21301800960_71b4be4305_o.jpg

Pegamos o metrô direto da estação de trem em direção ao Duomo, uma praça onde fica a Catedral, a Galleria Vittorio Emanuele II e outros edifícios bem bonitos. A Galleria é linda e tem aquelas lojas carérrrimas (Prada, etc). Na rua ao lado da Galleria tem uma sorveteria deliciosa, que esqueci o nome. Depois fomos em direção ao quadrilátero da moda, que é onde ficam as famosas lojas dos estilistas, mas na real não achei nada demais … as lojas são meio bregas do meu ponto de vista. De lá voltamos pra estação para pegar nossas mochilas (que havíamos deixado no locker) e embarcar no trem pra Florença.

20868768883_ee08695628_o.jpg

Chegamos em Florença às 19hs. Estávamos exaustos, mas fomos jantar em um restaurante perto do hotel. Percebi que na Itália você pode entrar em qualquer tratoria e a comida vai estar uma delícia, realmente eles são muito bons na cozinha! Comi um macarrão com camarão e funghi que dava pra comer de joelhos. Aqui na Itália eles comem demais! Uma refeição completa para eles inclui o antipasto (entrada), primeiro prato (normalmente uma massa), segundo prato (carne ou peixe), vinho e sobremesa. Só que tudo vem em muita quantidade. Então a gente normalmente dividia uma entrada pra dois e pedia ou um primeiro prato ou segundo prato para cada um. E é mais do que suficiente! Até porque eles colocam sempre pão na mesa. O pão em geral não é cobrado aqui, mas assim como na Argentina eles cobram “cubiertos”, que seriam os talheres (no caso, o serviço de mesa) e são cobrados por pessoa. Além disso normalmente se deixa alguns euros de gorjeta. Em alguns restaurantes mais turísticos os 10% ou 12% são cobrados na conta, mas na maioria você deixa a gorjeta que quiser.

21302013490_7d187363bc_c

Florença é uma linda cidade medieval e é a capital da famosa região da Toscana. Dominado pelos Médici até o século XVIII, possui muitas galerias de arte e maravilhosas igrejas. Começamos nosso passeio pela Catedral Santa Maria Del Fiore e seu batistério com as 4 portas do paraíso, a principal delas com esculturas de bronze feitas por Francesco Rustici, com assistência de Leonardo da Vinci. O Palazzo Médici, A Galleria della Academia – onde está o inacreditável Davi de Michelangelo – Ponte Vecchio, Galleria Uffizi … enfim, uma infinidade de museus, igrejas e galerias. Mas o mais bacana na cidade é se perder pelas ruazinhas e se deparar com uma pequena praça ou com um brasão na fachada de um edifício antigo. A cidade respira história e é simplesmente linda de morrer!

21303186259_b0a4b417e3_o.jpg

O Palazzo Médici, A Galleria della Academia – onde está o inacreditável Davi de Michelangelo – Ponte Vecchio, Galleria Uffizi … enfim, uma infinidade de museus, igrejas e galerias. Mas o mais bacana na cidade é se perder pelas ruazinhas e se deparar com uma pequena praça ou com um brasão na fachada de um edifício antigo. A cidade respira história e é simplesmente linda de morrer!

21498736911_113ab82508_o.jpg

Mas atenção: há cerca de 2 anos o governo cobra uma taxa de 4 euros por dia por pessoa que se hospeda na cidade (ATUALIZAÇÃO: a cobrança varia de acordo com a categoria do hotel e fica entre 1,50 e 5,50 euros). Essa taxa é paga no hotel e não está inclusa nas diárias. Nós não prestamos atenção nisso e no final da viagem tivemos que desembolsar 24 euros cada um. Essa taxa só é cobrada em Florença, Veneza e Roma, portanto se quiser economizar opte por ficar em um das lindas cidadezinhas próximas e alugue um carro. (ATUALIZAÇÃO: esta taxa já existe em várias outras cidades turísticas da Italia, verifique aqui as cidades que possuem taxa)

Decidimos almoçar a famosa bisteca alla Fiorentina. Depois de uma pesquisa na internet, descobri a Trattoria Mario, um restaurante bem simples, pequeno, desconfortável, mas que estava lotado! O processo é meio tenso e é bom chegar cedo, porque tem fila na porta. Você senta grudado nas mesas vizinhas e num banquinho sem encosto, mas vale a pena. A comida é deliciosa e o preço bastante bom.

A bisteca é realmente incrível. É uma carne gigante, bem alta, cheia de osso e super mal passada. Pra quem não curte carne mal passada dá pra pedir pra cortar no meio e deixar ela mais passada, mas a forma tradicional de comer é com ela tostada por fora e vermelha por dentro. O sabor é inexplicável, muito, muito gostosa. Normalmente a bisteca vem sem acompanhamento e você escolhe o acompanhamento à parte (pedimos salada e batata frita). O valor dela é por quilo ou por 100gr, aí você pede quantos gramas você quer e eles calculam o preço. O peso inclui os ossos, claro, então de 300gr a 400gr por pessoa é o ideal.

Para beber em geral sempre pedimos o vinho da casa, que normalmente é muito bom e bem barato. Mas se quiser experimentar bons vinhos os da região de Chianti e Montalcino são deliciosos (mas como a gente já iria nestes dois lugares, preferimos tomá-los in loco mesmo).

21489931745_3e68dfedd6_o
Proibido Ketchup!!!!

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s